Fiquei Com o Seu Número - Sophie Kinsella
Autora Sophie Kinsella,  Editora Record,  Gênero: Chick-lit,  Gênero: Romance,  Grupo Editorial Record,  Literatura Estrangeira,  Resenha de Livros

[RESENHA] Fiquei Com o Seu Número – Sophie Kinsella

Bem, esse foi o primeiro livro que li da autora Sophie Kinsella (em 2014 ou 2015, não lembro, sorry!) e posso dizer que AMEI!! São mais de quatrocentas páginas que passaram voando e eu nem percebi enquanto ria, me apaixonava e me divertia muito com esses personagens!

Vamos lá.
Depois de perder seu valioso anel de noivado e um de seus órgãos vitais – O celular. – na mesma noite, Poppy Wyatty entra em uma confusão atrás da outra.
Desesperada atrás de seu anel, ela liga para todas as suas amigas que estavam com ela em um hotel luxuoso para sua despedida de solteira. A questão é que todas as suas amigas queriam experimentar o anel de esmeraldas e depois de um “incêndio” onde todas saíram correndo do hotel, o anel sumiu. Isso mesmo, simplesmente sumiu. Enquanto Poppy tentava encontrá-lo, seu celular foi roubado e ela ficou sem um número de telefone para deixar ao hotel caso encontrassem o anel. – Se deixasse o número de seu apartamento, Magnus, seu noivo, poderia atender e descobrir tudo.
Depois de um tempo esperando para falar com o gerente do hotel, ela decide aguardá-lo na recepção e lá vê um grupo de empresários gringos e enfurecidos conversarem. Enquanto repete mentalmente tudo o que vê naquela sala ela passa os olhos por tudo. Até mesmo a lata de lixo. E não acredita quando vê um celular no topo dela.
E aí começa uma grande confusão.
Em meio ao desespero, Poppy acaba pegando o celular e informando o número dele ao gerente do hotel, mas corre o risco de perder o aparelho quando o dono dele ameaça reivindicá-lo.
Contudo, depois de ajudar o Sam, dono do celular, numa situação importante do trabalho dele, e ter um primeiro encontro muito engraçado com ele, com direito a uma versão única e inesquecível de Single Ladies (rio até hoje só de lembrar!) Poppy consegue que Sam deixe o aparelho com ela. – Como era o celular da empresa, ela prometeu que encaminharia todos os e-mails que chegassem nele diretamente para o Sam.
Quando menos percebe Poppy começa a ler os e-mails profissionais dele. Não é tipo: nossa, tô sem fazer nada, vou ler esse e-mail enviado hoje. É mais: tô entediada, vou ler toda essa caixa de e-mails de boas. (o que acaba sendo muito engraçado em diversos momentos, porque ela lê os e-mails, vê os problemas, pensa em ajudar, mas tem vergonha de assumir que leu tanta coisa do Sam).
No meio de tudo, Poppy acaba descobrindo algumas coisas. Sam tem um “pai” ao qual ele nunca responde aos e-mails; Uma noiva louca que lhe manda e-mails diariamente com insultos e uma caixa de mensagens que ele nunca responde.
Em meio às confusões da Poppy e as mensagens que ela e o Sam acabam trocando, os dois acabam se aproximando. E é muito hilário ver a interação deles tanto nas mensagens, quanto nas vezes em que se encontram. E é ainda melhor porque tu percebes que os dois são pessoas completamente diferentes, mas que, mesmo assim, dariam um casal lindo!
A Poppy é a típica mocinha de Chick-lit, estabanada, mete os pés pelas mãos, divertida, muito espontânea e até ingênua. O relacionamento dela com o noivo, apesar de parecer perfeito, tem certos probleminhas que precisam ser superados. Ela também tem uns problemas com a família dele, que são pessoas muito inteligentes (quando digo “muito” não é brincadeira), mas também são incrivelmente arrogantes e parecem não gostar dela, achar ela bobinha, com QI baixo demais para o filho deles, sabe? Isso acaba fazendo com que ela se sinta mal.
O Sam, por outro lado, é sério, firme, focado, irônico, reservado, às vezes é até grosso, mandão e não está nem aí para o que pensam dele. Nem aí mesmo. É aquele personagem que liga o foda-se pra tudo e todos, sabe? (A-DO-RO MOZÃO)
Numa das minhas cenas preferidas, Sam ajuda a Poppy a encontrar um anel parecido com o que ela perdeu (porque, afinal, não podia ficar sem o anel por muito tempo, mesmo inventando mentiras). E cara, essa cena. Eu não sei explicar como consegui ler enquanto ria tanto, mas fui guerreira, consegui! Outra que adoro muito também, é a que ele ajuda ela num jogo de Palavras Cruzadas que ela está jogando com a família do Magnus. Segue um trechinho:

“- Estamos jogando palavras cruzadas. É um pesadelo. – Palavras cruzadas? – ele pareceu surpreso. – Palavras cruzadas é legal. – Não quando você está jogando com uma família de gênios. Eles formam palavras tipo “irídio”. E eu fiz “boi”. Sam cai na gargalhada.”

O desenvolvimento dessa cena é muito divertido. Peguei pra reler agorinha, para encontrar esse trecho, e fiquei com uma vontade de reler o livro <3
Voltando à história, a Poppy, além da barra que passa por causa do anel, ainda precisa lidar com outras coisas que acabam acontecendo durante a história, a cerimonialista de seu casamento que está sempre reclamando de tudo o que precisa fazer sozinha (ela é uma bitch ela). E um enorme problema na empresa do Sam, em que ela, após lembrar de um dos recados que anotou para a secretária dele, se torna a única saída dele. Sendo a única que pode ajudá-lo e que, na verdade, está disposta a fazê-lo.
Depois dos dias e conversas com o Sam, das mudanças que inevitavelmente ocorreram nas vidas de ambos, ao encontrar o anel Poppy já não tem tanta certeza se deve ou não continuar usando-o.
Tudo piora após uma grande revelação que deixa a Poppy sem chão. Ela não faz ideia se deve ou não continuar com seu casamento e se realmente ama seu noivo. A partir disso, resta ela decidir se vale ou não a pena levar tudo adiante, mesmo com seus sentimentos confusos, e as muitas revelações martelando em sua cabeça.
Esse é um romance divertido, fofo, daqueles que, depois que você engaja na leitura, termina sem se dar conta. O final é muito fofo também, apesar de eu ter uma ressalva sobre ele, que já é característica nos livros da Sophie, contudo, se eu contar o que é, vou dar spoiler, então melhor ficar calada. U_U
Enfim, se você curte uma boa comédia romântica, simples, fluída e sem maiores complicações, esse livro é uma ótima pedida. É daqueles que deveriam ser adaptados urgentemente.
Aliás, falando em adaptação, logo volto com a resenha de O Segredo de Emma Corrigan, também da autora Sophie Kinsella, e que será adaptado para as telonas em breve (e eu já estou MUITO ansiosa porque esse é um dos meus preferidos da Sophie).
Espero que tenham gostado da dica <3 Se forem ler, ou se já leram, me digam o que acharam, por favor.
Leia Fiquei Com o Seu Número

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *